Produção de conhecimentos, arte e meio ambiente

Exposições questionam a poluição em São Paulo

Em “Quase Líquido” e “H2Olhos”, o Itaú Cultural propõe – até 25 de maio – uma reflexão sobre esse problema no rio Tietê e mostra como em outras cidades a realidade é diferente. A instalação de garrafas PET de Eduardo Srur, nas margens do rio, é um dos destaques

  A  A  +

Por Thiago Carrapatoso
Planeta Sustentável – 27/03/2008

Itaú Culturalsedia duas exposições que têm o meio ambiente como tema de reflexão: “Quase Líquido” e “H2Olhos”. Ambas estão ocupando o prédio da instituição, em São Paulo, até o dia 25 de maio, com entrada gratuita.”Quase Líquido” preocupa-se em provocar o público sobre dilemas, incertezas e vazios que cercam os indivíduos que vivem em metrópoles, como a capital paulista, e precisam conviver com a contradição entre o moderno e os problemas básicos, como a violência, aexclusão social e o meio ambiente degradado. De acordo com o curador da exposição, Cauê Alves, é esse conflito que mostra que a sociedade brasileira ainda não alcançou a modernidade em si.O trabalho do artista plástico Eduardo Srur é um exemplo desse conflito. Srur construiu 20 garrafas PET de 10m de comprimento por 3m de largura e espalhou-as pelas margens do rio Tietê. Os motoristas da marginal, então, poderão ver entre as pontes do Limão e da Casa Verde diversas garrafas coloridas que convidam o público a refletir sobre a poluição do rio. Quem quiser checar o trabalho de mais perto, o Itaú Cultural, em parceria com o Instituto Navega São Paulo, promove excursões agendadas pelo rio. Quando a exposição acabar, as garrafas virarão mochilas que serão distribuídas gratuitamente às escolas públicas da região.Esse não é o primeiro trabalho de Srur sobre o meio ambiente. Ele já fez intervenções urbanas que questionam a mobilidade em São Paulo – pendurando bicicletas entre dois prédios em uma das travessas da avenida Paulista – e a poluição no rio Pinheiros que impossibilita os cidadãos de usufruir algo que era usado como lazer antigamente – soltando caiaques com manequinscorrenteza abaixo.Outro destaque da exposição é o grafiteiro Zezão, que exibe o vídeo “Suco Gástrico”, em que mostra sua experiência com seus grafites azuis nos esgotos e córregos da cidade. Zezão, aos 28 anos, por causa de uma crise depressão, visitou os subterrâneos da cidade pela primeira vez. Foi lá que começou a trabalhar suas intervenções urbanas com pixação e grafite.[img01] Além desses, outros 15 artistas entram na exposição, como Tatiana Ferraz, Louise Ganz, Ana Tavares, Rosângelo Rennó, o mexicano Héctor Zamora e o catalão Martí Perran. 

Em paralelo ao “Quase Líquido”, no 2º subsolo do Itaú Cultural, há também a exposição “H2Olhos”, em que o fotógrafo e curador Miguel Chikaoka mostra que a água do rio Tietê é limpa em outras cidades. Chikaoka divide a exposição em três partes: H2Olhos no Olho, em que o público pode ver sua imagem refletida por meio de um jardim de olhos d’água; H2Olhos no Leito, no qual o espectador tem a sensação de estar imerso em um rio cheio de peixes; e H2Olhos nas Nuvens, espaço com livros e jogos.

Para saber mais informações sobre as exposições, acesse o site do Itaú Cultural.

Itaú Culturalsedia duas exposições que têm o meio ambiente como tema de reflexão: “Quase Líquido” e “H2Olhos”. Ambas estão ocupando o prédio da instituição, em São Paulo, até o dia 25 de maio, com entrada gratuita.”Quase Líquido” preocupa-se em provocar o público sobre dilemas, incertezas e vazios que cercam os indivíduos que vivem em metrópoles, como a capital paulista, e precisam conviver com a contradição entre o moderno e os problemas básicos, como a violência, aexclusão social e o meio ambiente degradado. De acordo com o curador da exposição, Cauê Alves, é esse conflito que mostra que a sociedade brasileira ainda não alcançou a modernidade em si.Otrabalho do artista plástico Eduardo Srur é um exemplo desse conflito. Srur construiu 20 garrafas PET de 10m de comprimento por 3m de largura e espalhou-as pelas margens do rio Tietê. Os motoristas da marginal, então, poderão ver entre as pontes do Limão e da Casa Verde diversas garrafas coloridas que convidam o público a refletir sobre a poluição do rio. Quem quiser checar o trabalho de mais perto, o Itaú Cultural, em parceria com oInstituto Navega São Paulo, promove excursões agendadas pelo rio. Quando a exposição acabar, as garrafas virarão mochilas que serão distribuídas gratuitamente às escolas públicas da região.Esse não é o primeiro trabalho de Srur sobre o meio ambiente. Ele já fez intervenções urbanas que questionam a mobilidade em São Paulo –pendurando bicicletas entre dois prédios em uma das travessas da avenida Paulista – e a poluição no rio Pinheiros que impossibilita os cidadãos de usufruir algo que era usado como lazer antigamente – soltando caiaques com manequinscorrenteza abaixo.Outro destaque da exposição é o grafiteiro Zezão, que exibe o vídeo “Suco Gástrico”, em que mostra sua experiência com seus grafites azuis nos esgotos e córregos da cidade. Zezão, aos 28 anos, por causa de uma crise depressão, visitou os subterrâneos da cidade pela primeira vez. Foi lá que começou a trabalhar suas intervenções urbanas com pixação e grafite. 

Divulgação{txtalt} 

Os grafites azuis de Zezão, que ilustram os esgotos de São Paulo, são tema do vídeo “Suco Gástrico”

Além desses, outros 15 artistas entram na exposição, como Tatiana Ferraz, Louise Ganz, Ana Tavares, Rosângelo Rennó, o mexicano Héctor Zamora e o catalão Martí Perran.Em paralelo ao “Quase Líquido”, no 2º subsolo do Itaú Cultural, há também a exposição “H2Olhos”, em que o fotógrafo e curador Miguel Chikaoka mostra que a água do rio Tietê é limpa em outras cidades. Chikaoka divide a exposição em três partes: H2Olhos no Olho, em que o público pode ver sua imagem refletida por meio de um jardim de olhos d’água; H2Olhos no Leito, no qual o espectador tem a sensação de estar imerso em um rio cheio de peixes; e H2Olhos nas Nuvens, espaço com livros e jogos.

Para saber mais informações sobre as exposições, acesse o site do Itaú Cultural.

Patrícia Santos/AE

GARRAFAS PET GIGANTES QUE FAZEM PARTE DA INSTALAÇÃO CRIADA PELO ARTISTA PLÁSTICO EDUARDO SRUR, NAS MARGENS DO RIO TIETÊ, ENTRE AS PONTES DO LIMÃO E DA CASA VERDE, ZONA NORTE DE SÃO PAULO. 26/03/2008

Fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/eventos/conteudo_274265.shtml

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s